Vida do Pai Neco


Pai_5_1.jpg


A História cultural e religiosa de Pai Neco começa com a vinda do Príncipe Custódio para o Brasil, em seguida para Porto Alegre, no ano de 1901, trazendo consigo os fundamentos da nação Jeje.

Pai Neco é bisneto de João do Bará, que é filho de Chininha de Xangô de Bêge, filha de Príncipe Custódio.

Seu avô é Nelson de Xango e seu pai de santo é Vinícius de Oxalá, tendo Moab Caldas e Ondina de Xapanã como seus padrinhos.

Aos 13 anos, em 1972, foi aprontado como Babalorixá, recebendo o título de “O mais novo Babalorixá do Brasil”.

Nessa linha de tempo, Pai Neco é um dos únicos no Rio Grande do Sul que mantém os reais fundamentos da Nação Jeje Ijexa, possuindo um local com mata virgem, vertente e árvores centenárias.

Tem em sua bacia mais de 1300 filhos espalhados pelo mundo.

O título de Rei do Jeje foi dado por Moab Caldas, grande conhecedor das religiões, no ano de 1980.

Além de Babalorixá, Pai Neco é cigano de sangue. Seu avô nas décadas de 40 e 50 acampava em Porto Alegre, no local onde hoje é o Parque Moinhos de Vento (Parcão). No local foi colocado um busto em homenagem aos Bagesteiros. É no Parcão onde acontece o evento Ritos, Cantos e Magia, da Cia de Música e Dança Alma Cigana. O evento está no Calendário Oficial de Eventos de Porto Alegre.


OBRAS REALIZADAS

Lançou em 2002 a Obra Exú na visão de Pai Neco de Oxalá, sendo considerado o segundo livro  mais vendido da feira do livro nesta ocasião. 
o coquetel de lançamento da obra com  as autoridades foi na Câmara de Vereadores.

- em 1996 gravou seu primeiro CD com pontos e músicas de sua autoria " Alma Cigana".
- em 1997 gravou o CD Exú com pontos direcionado às sessões do povo de Exú. 



TÍTULOS RECEBIDOS

- Título de Babalorixá mais novo do Brasil, que ganhou na Assembléia Legislativa em 1976, aos 16 anos; Nesta ocasião recebeu da Congregação Espiritualista o título da Babalorixá mais novo do Brasil

- 1974 a 1979, participou da corrente de ferro do maior umbandista do Brasil, o Sr. Moab Caldas

- 1974 a 1980, foi líder e participou da Diretoria da Juventude Umbandista do RS

- 1979 a 1986, participou do Conselho Deliberativo da União de Umbanda do RS

- 1974 e 1975, ganhou no Auditório Araújo Viana o título de melhor Ogã de Alabe do RS

- 11 de dezembro de 1994, ganhou uma Menção Honrosa, pela participação da 1ª festa de Oxum dos Cultos Afro- Brasileiros. Apoio: Prefeitura de POA

- 1996 e 1997, ganhou o título de melhor Ogã de Alabê do Brasil e do Conesul

- 1996 á 2001, ganhou o Troféu Destaque do Povo de Exú

- Certificado BARLACKI , pela brilhante forma de cultuar os fundamentos e as origens do Povo cigano

- Homenagem Reconhecimento Cultural Religioso - seguimento de ancestralidade de Mauricio Bagesteiro (Pai Carnal)
 Data: 14 de julho de 2001 - Local: Caxias do Sul - Projeto: Muito Axé (Informação e Serviços Religiosos)

- 1998 Ganhou o Troféu Tridente de Ouro, por seu valioso Trabalho junto ao Povo de Exú

- 12.08.2001, ganhou o Troféu Tridente de Lei, também por grandes trabalhos e conhecimentos do Povo de Exú

- 2001, ganhou o troféu Alumpandê, por vários trabalhos no Povo de Exú

- 15 de Novembro de 2001, ganhou o troféu Elegum, por trabalhos prestados ao Afro-Umbandismo

- 29 de Novembro de 2001, Pai Neco foi condecorado com o título de Comendador dos Cultos Afros, Pelo Conselho Federativos dos Cultos Afro-Umbandista no CONESUL. Condecorado também por duas vezes com o Troféu Gran Exud Elegdá

- Em 2013 ganhou o título de Embaixador dos Cultos Afro por meio de votação aberta, concorrendo com Babalorixas e Ialorixas de toda a a América do Sul.